sábado, maio 13, 2006

Pink Flamingos


Sempre quase mas nunca tudo.
Sempre meio copo mas nunca um fígado cheio.
Sempre lascivos mas sempre bonitos. Sempre inteligentes mas nunca intelectuais.
Sempre a trepar as paredes por mil sexos, mil joias e mil ideias de projecções futuras… sempre em dança com os gestos do “certo” e do “certamente certo”.
Sempre em gemidos e nunca em gritos.
Sempre bronzeados mas não pretos…sempre giros e quase famosos.
Sempre sérios mas quase parvos.
Sempre em bico-dos-pés mesmo quando dançam uns com os outros na mesma sala às escuras.
Quase sempre perfumados da ironia de quem os circula… da vida que, em nós, levanta o sentido.
Sempre diplomáticos e quase brutos… sempre frescos e quase duros.
Sempre encarnado e quase preto.
Sempre assim e quase cansados.
Sempre loucos e quase felizes.
Sempre quase mas nunca tudo… porque o tudo é individual e o quase já é divisível.

...seja como for, seja onde for, continuo a gostar do cor-de-rosa e branco.


photo by DdiArte

1 comentário:

Rouge disse...

(Visões de um sonho ao fim da tarde)

Sonho contigo...
Na sala preenchida por uma musica alucinante e de vermelho,... o fantástico espelho. Na sua superfície a tua imagem reflectida...Na tua boca de mel brilha o sorriso da ironia...outro destino, outro abismo...
Outro corpo...o meu sobre o teu, o peso da nossa loucura até à asfixia...latejando sobre esta ferida noctura.
O teu rosto desenvolve-se na claridade deste espaço impossivel, o sonho. A tua mão estende-se para além do espelho, tenta tocar-me...rasando o açucar da imensa ausência do teu calor...

A sedução do teu sorriso permanece no âmago deste quadro de fogo.
Na cinza púrpura da nossa beleza...cai o desejo que nos murmura...e fica. Sempre.